História

A história da RIAT ganhou forma em Buenos Aires, na Argentina — e a partir da experiência em prática clínica, o sonho da psicóloga Ana Joulie Moura e do empreendedor e acompanhante terapêutico Marcel Araújo saiu literalmente do papel em novembro de 2017.

Nossa história começou em Buenos Aires, cidade com maior número de trabalhadores em saúde mental para cada 100 mil habitantes, no mundo (sendo ainda a Argentina, também, o país coração da psicanálise e da psicologia).

Os sócios amazonenses Marcel Araújo e Ana Joulie Moura criaram a RIAT a partir de suas experiências pessoais. Marcel já tinha experiência como técnica como administrador, mas sempre teve um interesse enorme por filosofia e espiritualidade — e viu que a psicologia reunia essas duas paixões. Já Ana, formada em psicologia e com profunda experiência em prática clínica, buscou seu doutorado na capital portenha.

Enquanto estudavam, buscaram um curso de Acompanhamento Terapêutico para manterem-se em Buenos Aires. Logo em seguida já estavam trabalhando na área. Com suas agendas preenchidas, passaram a derivar atendimento para outros ATs e perceberam alguns problemas: muitos faltavam, não tinham afinidades ou conexão com seus pacientes, não conseguiam ter uma organização e qualidade no serviço que ofereciam. Foi quando Marcel, com experiência técnica em processos de qualidade, e Ana, com escuta refinada em psicologia, começaram a desenhar uma solução única para controle e supervisão dos atendimentos.

Em novembro de 2017, então, nascia a RIAT com uma estrutura de dados própria que inova ao permitir traçar a evolução do paciente, criando um novo paradigma para o futuro da saúde mental no mundo, o que já foi reconhecido em prêmios internacionais ganhos no final de 2020. E foi no início deste mesmo ano que a RIAT também migrou para Manaus, no Amazonas, e hoje cada um está presente em uma sede.

Marcel e Ana perceberam que com a ajuda do BI podiam criar um sistema único de gestão que reúne em um mesmo ambiente todas as informações importantes para o acompanhamento de cada paciente e as disponibiliza em tempo real aos profissionais envolvidos em seu tratamento, gerando um prognóstico de evolução em tratamento que melhora a qualidade de vida e acelera a socialização dos pacientes. Com isso, a RIAT causa vários impactos: insere novamente pacientes e familiares no mercado de trabalho e cria uma relação formal com os profissionais.

Hoje a rede conta com mais de 300 profissionais que atendem instituições e famílias sob a supervisão permanente dos sócios. Já são mais de 100 mil horas de pacientes atendidos nas mais diversas províncias da Argentina e no Brasil.

Em 2020 a equipe ganhou reforço de uma nova diretora em saúde mental para a RIAT Argentina: Dra. Verónica Brasesco. Doutora em Psicologia pela Universitá degli Studi di Bologna, Italia, a Dra. Verónica Brasesco é especializada em Psicopatologia e Saúde Mental, professora de Psicologia na Universidad Católica de Uruguay e chefe do Gabinete de Direção de Políticas Sociais em Adição no GCABA, na Argentina.

A RIAT também ganhou parceiros estratégicos para criar seu sistema e app, como a DBServer. Com sede no Tecnopuc, em Porto Alegre, a empresa auxilia há mais de 30 anos organizações no mundo inteiro na inovação e transformação digital. Já com grande experiência em riscos e segurança cibernética é a Outthink que auxilia a RIAT em sua gestão.

Saiba mais sobre a forma de trabalhar e os diferenciais e benefícios que a RIAT pode trazer a todo seu ecossistema aqui no nosso site.

A RIAT é uma rede de acompanhamento terapêutico criada com a finalidade de organizar a relação entre vários acompanhantes terapêuticos, seus pacientes/familiares, equipe médica (psicólogos e psiquiatras) e instituições parceiras, utilizando ferramentas contemporâneas da tecnologia da informação para permitir o ajuste dinâmico entre as demandas do paciente com os objetivos terapêuticos, desenvolvimento de estratégias e táticas terapêuticas adequadas para esse fim, permitindo um aumento na integração de toda a equipe, com relatórios diários de cada atendimento feito, com a supervisão adequada e apoio aos profissionais que acompanham, para que a força e o cuidado gerado dentro da equipe sejam transmitidos aos pacientes, aumentando a eficiência do tratamento e um melhor resultado terapêutico, como consequência de uma maior precisão nas intervenções, oriunda de uma transparência da informação instantaneamente compartilhada entre toda a equipe.